sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

23 de Dezembro ...

Hoje o casal mais lindo do mundo completa seis anos de casados ...
Parabéns Ricardo e Caroline.
Esses são os votos do Fc Real Izecson para vocês. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Entrevista: Carol Celico abre o coração e fala sobre família e DVD


Esposa do meia Kaká, do Real Madrid, deu entrevista exclusiva ao Futebol para Meninas e contou tudo e mais um pouco. Confira na íntegra!
                                                                          Por Patricia Esteves
Se ter uma linda família e casar com o homem de seus sonhos é ter um vida de princesa, Carol Celico pode dizer que é uma privilegiada nesse sentido. Mas nem por isso, a esposa do meia Kaká, do Real Madrid, deixou de passar por dificuldades. Pedida em casamento aos 18 anos, a paulistana se viu obrigada a mudar para a Itália, onde o amado atuava pelo Milan, e teve que se adaptar à nova vida de uma hora para outra. Tendo como uma de suas principais características a determinação, Carol conseguiu organizar sua vida, engravidou de Luca, seu primeiro filho, chegou a montar um negócio e aprendeu a conviver com a fama do marido.
Hoje, mãe também da pequena Isabella, a menina com postura de mulher acaba de lançar um DVD com o intuito de “que as pessoas se aproximem de Deus”.  Mais madura, Carol, aliás, faz questão de dizer que errou no passado ao ser pouco tolerante com pessoas que pensavam diferente dela. Mas como ela mesmo diz, aprender “que ninguém está mais certo do que o outro” é uma lição de vida.
Em entrevista ao Futebol para Meninas, a amada de Kaká falou sobre o início do relacionamento com um dos melhores jogadores do mundo, revelou como é a vida em família, contou sobre seu DVD e ainda mandou mensagem de carinho aos fãs. Essa é a esposa de Kaká: mil em uma só!
Futebol para Meninas: Como conheceu o Kaká?
Carol Celico: Minha mãe conheceu o pai dele e logo em seguida fomos apresentados um ao outro.
FPM: Logo de cara você já se interessou por ele?
CC: Uma vez estava no aeroporto e o vi de costas. Eu tinha apenas 14 anos, mas ele chamou a minha atenção naquele momento.
FPM: Como foi o pedido de namoro? E o de casamento?
CC: O namoro aconteceu naturalmente após virarmos amigos. E o pedido de casamento foi em Veneza. Ele me levou na viagem dizendo que assinaria um contrato e que eu iria acompanhá-lo. Em uma noite, me levou para jantar antes da reunião, e no alto de um prédio que tinha vista para a cidade, me pediu em casamento. Aceitei com um grande sorriso no rosto e os olhos mareados de lágrimas.
FPM: Qual foi o momento mais feliz de vocês como casal?
CC: Foram muitos, é dificil escolher um. Mas o nascimento dos filhos é sempre um momento inesquecível.
FPM: Vocês se chamam de Bu. Como surgiu esse apelido e por quê?
CC: Um dia estavamos assistindo Monstros S.A. e o apelido surgiu ali, meio sem explicação, como costumam ser todos os apelidos, não é mesmo?
FPM: Qual o presente que ele deu que você mais gostou?
CC:Os mais espontâneos, como um doce que eu gosto ou um buquê de flores inesperado.
FPM: Já teve algum problema com fãs dele ou elas respeitam?
CC: Nunca. Todas me respeitam e admiram não só o Kaká, mas a todos nós como família.
FPM: Vocês pretendem ter outros filhos?
CC: Sim, mas só quando as crianças estiverem mais grandinhas.
FPM: Como você descreveria a mãe Carol? E o pai Kaká?
CC: Mãe amorosa e disciplinada. Pai presente e educador.
FPM: Quem se parece mais com o Kaká no que diz respeito à personalidade: o Luca ou a Isabella?

CC: Achava que seria a Isabella, por ser mais quietinha, mas ela está mudando muito e não dá para saber. O Luca é mais parecido comigo, agitado e persistente.
FPM: Se o Luca quiser seguir carreira no futebol, você vai incentivar? E a Bella? Com o crescimento do futebol feminino, isso pode acontecer.
CC: Vou incentivá-los a fazerem o que gostam, independente da profissão.
FPM: Como foi quando você teve que se mudar para a Espanha, por conta datransferência do Kaká? Foi muito difícil estar em um novo país?
CC: Eu me adapto muito facilmente a novas situações. Não foi nada difícil. Acabei gostando muito de Madrid, pois é muito parecida com a minha cidade natal, São Paulo.
FPM: Como é sua rotina hoje?
CC: Em Madrid me dedico integralmente às crianças. Tenho uma pessoa que me ajuda com a Isabella, mas o Luca está 100% comigo. Pego e levo na escola, dou banho e cuido dele. Tenho a manhã para fazer minhas atividades como ginástica e trabalho. Á tarde fico com as crianças.
FPM: Você disse que se afastou da Igreja por não concordar com alguns pensamentos deles e até chegou a falar coisas que hoje não concorda, mas você continua crendo em Deus e tendo muita fé. Você tem os momentos em que precisa ficar sozinha para exercitar essa fé?
CC:Meu dia é um constante falar com Deus. Muitas vezes preciso falar com meu marido ou amigos que conhecem a Bíblia sob os aspectos de  teologia e fé para tirar algumas dúvidas e aprofundar o meu conhecimento. Mas também tenho meus momentos de realmente falar a sós com Deus.
FPM: Suas palavras, via Twitter,  dão muito conforto aos fãs. Como você se sente sendo uma referência de conforto para as pessoas? (Pergunta enviada por @Vickyy_xo)
CC: Quero continuar sempre com uma palavra de amor, perdão, da graça de Deus, que para mim e o que significa a vinda, morte e ressurreição de Jesus. Que elas consigam estabelecer uma aproximação com o Único que pode confortar. Se eu sou uma ferramenta para que isso aconteça, me sinto muito honrada e feliz.
FPM: Hoje em dia, ser esposa de jogador de futebol também coloca as mulheres como celebridade. Como você lida com isso?
CC: Acho que a celebridade é o jogador. Temos que ser conhecidos por quem somos e por aquilo que fazemos que faz com que pessoas nos admirem. E bom poder usar a visibilidade para uma causa maior: fazer o bem ao próximo.
FPM: Com a visibilidade, você pensa em abrir uma loja de produtos licenciados da Carol Celico? (Pergunta enviada pela seguidora @jessicah_moraes)
CC: Nunca pensei nisso.
FPM: Como foram os meses que o Kaká ficou parado? Foi muito difícil para vocês?
CC: Foi um momento diferente, que gerou em nos um sentimento de esperança e de crescimento como casal e consequentemente como familia. Nesse sentido, foi bom para nos unir ainda mais.
FPM: E agora que ele está voltou com tudo, qual é a sua sensação, como esposa, de ver que ele está brilhando novamente?
CC: Me orgulho principalmente por saber o quanto ele ama o que faz e como se sente realizado de forma especial no futebol. Voltar a jogar como Kaká é uma vitória e uma alegria.
FPM: Como surgiu a ideia de gravar um DVD?
CC: A ideia surgiu quando pensei em uma maneira de dividir experiências pessoais que vivi com Deus. Um Deus de amor que quer estar perto de cada um que o desejar.  E descobri que isso era possível de uma forma leve através das músicas e das imagens, para que as pessoas pudessem ouvir, ver e se sentirem mais próximas de Deus.
FPM: A música “Presente de Deus” que o Kaká fez e canta com você é linda. Como foi ouvi-la pela primeira vez? E foi fácil convencê-lo a cantar com você?
CC: Foi inesperado e muito emocionante. A letra é muito linda e profunda. Não tive que o convencer. Ele simplesmente aceitou pelo fato dele ter escrito a música para mim, e em forma de dueto. Não daria certo cantar com outra pessoa, nem mesmo sozinha.
FPM: Você canta também com a Claudia Leitte e parecem sem muito amigas. Comovocês se aproximaram?
CC: Eu a vi pela primeira vez em um DVD que ela gravou em Copacabana, e ela me viu pela internet. Sentimos uma mútua vontade de nos conhecer. Isso aconteceu quando eu entrei em contato e ali surgiu uma grande amizade.
FPM: Você pretende gravar mais algum DVD?
CC: Não no momento.
FPM: Você já disse que não pretende fazer shows. Mesmo depois de ver a recepção das pessoas, continua com esse pensamento?
CC: Continuo, pois com a minha vida familiar e o meu marido trabalhando fora do Brasil, não tenho como deixar meus filhos e minha casa e fazer shows. Por esse motivo resolvi somente gravar o CD.
FPM: Qual a música que você mais gosta do DVD?
CC: Gosto de todas, é impossivel escolher uma. Como cada uma delas tenho uma história, uma experiencia diferente. Mas uma que me exigiu muita dedicação foi “Fruto do Amor” que eu mesma compus para meu filho, Luca.
FPM: Se pudesse escolher uma frase preferida, qual seria?
CC: “Para que tantos nomes, tantas religiões, se só há um nome. Jesus.” Essa frase expressa mais do que posso explicar.
FPM: Por fim, a família de vocês é linda. Qual é a fórmula para uma família feliz e unida?
CC: Não existe uma fórmula. Mas com certeza ter Deus como o elo que nos une é muito importante. O amor, a cumplicidade e a verdade são também um fator de muita influência no bem estar do lar.

Já começamos com o pé direito :)


terça-feira, 29 de novembro de 2011

          
          31 de Dezembro, um ano que o sonho começou...
     Happy Birthday  
                  Real Izecson

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Jogador vai abrir o twitter para campanha


Kaká fará uma ação publicitária no fim do ano de apoio ao Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC). O jogador fechou acordo para promover a instituição paulista em seu twitter, o mais popular do país.
Kaká colocará a foto de uma criança com a doença no seu perfil e deixará que várias postem mensagens no twitter durante um dia inteiro.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

AMADA DO CRAQUE KAKÁ, CAROLINE CELICO FESTEJA A ATUAL FASE

À primeira vista, os traços delicados e o semblante de menina podem indicar uma personalidade calma. Mas só à primeira vista. Aos 24 anos, Carol Celico sabe dosar a essência feminina com as responsabilidades da mulher moderna: mãe, esposa e profissional. Casada desde dezembro de 2005 com o meia do Real Madrid Kaká (29), com quem temLuca (3) e Isabella (6 meses), a cantora — que prefere definir seu repertório como pop em vez de gospel — falou com exclusividade à CARAS sobre como lida com seus papéis. “Sou uma equilibrista na corda bamba, segurando pratos. Levo um filho ao pediatra, volto para casa, dou banho, almoço e jantar, coloco um para dormir, aí o outro chora. E a mulher ainda tem de estar sempre sorrindo e linda, o marido chega em casa e tem de estar pronta para recebê-lo. Não é fácil. As pessoas me veem na mídia, arrumada, e parece que é sempre assim. Não. Eu me viro sozinha. Se tenho evento, em SP até tenho uma equipe, mas em Madri faço meu cabelo, unha, depilação, maquiagem, tudo sozinha”, relata a paulistana radicada na capital espanhola.
O empenho dedicado à família se repete quando o assunto é o trabalho e fazer o bem. Após um ano de distribuição gratuita das canções pela internet, ela lançou, em julho, os primeiros CD e DVD, Carol Celico. “Quis aproximar as pessoas de Deus, para que cada um saiba estar mais perto Dele. Tentei mostrar esse Deus mais ‘cool’”, diz a ex-pastora da igreja evangélica Renascer, da qual se afastou no fim de 2010. “Sou cristã. Você não precisa ter uma religião ou pertencer à igreja para estar perto de Deus.”
– Como define sua música?
– Diria que é pop.
– Incomoda se as pessoas a chamam de cantora gospel?
– Não. Gospel é um estilo de música dos coros americanos e no Brasil passou a denominar tudo que tem a ver com Deus. Minha música tem a ver com Ele, mas é de forma diferente. Acho que é mais leve, fala de amizade, relacionamentos, família, como Presente de Deus, que gravei com o Kaká, que é sobre o casamento, e Fruto do Amor, que fiz para o Luca.
– E para Isabella?
– Luca fala que a música dele já é da irmã, diz: ‘Mamãe, empresto para ela.’ Compus uma, um dia antes de ganhá-la, mas não sei quando nem se vou gravar, nem dei nome. Mas a canto para Belinha.
– Como convenceu Kaká a gravar com você?
– Não teve esse trabalho psicológico. Ele compôs a música. A letra é como se ele falasse para mim e eu para ele. Gravar sozinha ou com outro homem não daria certo, ele era a única opção. Ele me deu essa prova de amor.
– Como é ser casada com alguém famoso mundialmente?
– Kaká, para mim, é uma pessoa normal. Para eu entender a proporção é complicado, porque o conheci antes de ter fama, estamos juntos há 10 anos. Casei aos 18. A vida me proporcionou isso, nos encontramos e tivemos certeza de que era a coisa certa a fazer.
– Desejam mais filhos?
– Mais um, daqui a vários anos, mas apenas quando os dois já estiverem grandinhos.
– Nem parece que deu à luz há seis meses...
– Quero emagrecer quatro quilos para chegar ao meu peso normal. Estou com 54kg. Comecei a fazer ginástica e dieta. Estou amamentando a Isabella e logo vou parar. Com o Luca, não me alimentava bem, então tive menos leite; aos quatro meses acabou. Da Isabella, por ser o segundo filho e não ter esta ‘encanação’ de emagrecer, estou comendo melhor. Agora que ela fez seis meses, comecei a evitar um pouco mais os carboidratos.
– E exercício físico?
– Não é meu forte, não gosto de academia. Vou porque faz bem. Faço transport, um aparelho de atividade aeróbica, e pilates.
– Você diz que a mulher moderna tem de estar sempre arrumada. Isso não cansa?
– Gosto de não me preocupar sempre com isso. Em Madri, às vezes, saio sem maquiagem, de cabelo preso, moletom e chinelos.
– Com quem acha que seus filhos se parecem mais?
– Luca é mais a cara do pai e Isabella, a minha. Mas somos parecidos. Quando começamos a namorar, todos achavam que éramos irmãos e eu ficava sem graça.
– E quanto à personalidade?
– Isabella é mais quieta. Não dá trabalho para dormir, nem comer; já come papinha de frutas, à tarde. El.a é tranquila, como Kaká; Luca é agitado como eu. É engraçado, porque o amor é igual de um filho para o outro, a gente só entende quando passa. Luca é a minha paixão, grudado comigo, tem ciúme de qualquer um que chega perto, acha que sou dele e acho que ele é meu também. Isabella é minha cúmplice, meu time. Quando crescer, acho que me contará as coisas, sair comigo... Seremos eu e ela ‘contra’ Kaká e Luca. Às vezes, estou com ela no colo e Kaká, com Luca, quer fazer guerra de almofadas, mulheres contra homens, e fica essa coisa gostosa

sábado, 5 de novembro de 2011

Carol Celico se defende de criticas


Criticada após explicar os motivos que a levaram a se afastar da Igreja evangélica, Caroline Celico resolveu usar o seu Twitter neste sábado (5) para se defender.“Tem muitos religiosos me criticando pelo meu relato individual de escolha e experiência própria. Religiosos que falam contra a religiosidade , mas que não são nada diferentes dos proprios religiosos e fariseus que Jesus veio desagradar. Mesmo vocês sendo minoria, vou colocar minha opinião com respeito a vocês. Deveriam ficar mais preocupados com o ‘rebanho’ de vocês, do que com os que não vão acabar frequentando a Igreja de vocês. Deus cuida de cada um, e não vai me cobrar pela livre e espontânea  escolha de cada um. Cada um que está de pé cuide para que não caia”, comentou a mulher de Kaká.“Cuidado com a intenção do seu coração, a raiz dos seus sentimentos, pois Deus é que olha e conhece cada um deles, não se vou em uma ‘Igreja’, e sim se sou a Igreja. Estou feliz pois minha Igreja é mais que meu lar, é onde estão dois ou mais reunidos em nome Dele, e isso acontece muitas e muitas vezes por dia em minha vida”, completou Caroline.
Entenda a polêmica A frase que desagradou aos seus seguidores mais religiosos foi proferida durante uma entrevista recente para um programa de televisão em que a cantora explicou porque não tem mais frequentado a Renascer em Cristo.“Não sinto mais vontade de ir à igreja, não gosto de rótulos. Hoje, sou seguidora de Cristo. O tempo que passamos lá na igreja foi bom, não me arrependo. Aprendi o que devo ou não fazer”, disse a mulher de Kaká na ocasião.

sábado, 29 de outubro de 2011

Caroline Celico: a senhora Kaká


Disponível para download gratuito, o CD/DVD gospel gravado por Caroline Celico foi baixado 2 milhões de vezes ao longo do último ano. Acaba de ser lançado pela gravadora Universal, razão que trouxe a paulistana de 24 anos (mais conhecida por ser mulher do jogador de futebol Kaká) para uma temporada na cidade.
VEJA SÃO PAULO — Decidiu se dedicar de vez à carreira de cantora?
Caroline — Não. Não farei show nem lançarei mais CDs. Tenho outros projetos baseados nos princípios cristãos.
VEJA SÃO PAULO — Quais?
Caroline — A renda do trabalho com a música será revertida para uma plataforma  de solidariedade na internet. Um site chamado Amor Horizontal.
VEJA SÃO PAULO — Por que esse nome?
Caroline — É uma maneira de se referir ao amor ao próximo. Amor Vertical é o de Deus para nós.
VEJA SÃO PAULO — Como funcionará?
Caroline — As pessoas serão direcionadas a sites associados. Lá, comprarão alimentos e produtos de higiene para doação. Ninguém me dará dinheiro.  O próprio parceiro fará a entrega.
VEJA SÃO PAULO — Pensa em Deus o tempo todo?
Caroline — Uma boa parte do dia.
VEJA SÃO PAULO — Pensa mais em Deus ou mais no seu marido?
Caroline — Nos meus filhos. O dia inteiro. É aquela preocupação de que tudo esteja sempre bem com eles.

"Eu me achava superior"



Caroline Celico, mulher do craque do futebol Kaká, conta como ele enfrentou a má fase profissional, assume que era fanática quando pertencia à Igreja Renascer em Cristo e diz por que deixou de frequentá-la.
Caroline Celico, 24 anos, está atrasada. Quando chega ao terraço do hotel onde a conversa foi marcada, entra com pressa e pede desculpas. “Levei um chá de cadeira do pediatra”, explica ela, impecável na maquiagem, na roupa, nas joias e na dicção. Mãe de Luca, 3 anos, e Isabella, 6 meses, ela aproveitou a passagem pelo Brasil para levar os dois ao médico. Mulher de Kaká, craque do Real Madrid e eleito, em 2007, o melhor jogador de futebol do mundo pela Fifa, ela está no País para lançar a segunda edição de seu CD e DVD evangélicos. Dois anos depois de deixar a Igreja Renascer em Cristo, do apóstolo Estevam Hernandes e da bispa Sônia, ela colhe os frutos de sua liberdade espiritual. “Amadureci em coisas que eram tabu para mim”, admite. “Eu me achava superior. E essa é das piores características que já tive na vida.”

O processo de amadurecimento de Caroline não foi fácil. Aos 15 anos, começou a namorar uma das grandes estrelas do futebol brasileiro. Um ano depois entrou, segundo ela, por vontade própria para a Igreja Renascer em Cristo, da qual Kaká sempre fez parte. Batizou-se, matriculou-se em grupos de estudo da “Bíblia” e passou a frequentar os cultos de maneira quase compulsiva. A mãe da jovem, Rosângela Lyra, 46 anos, católica, empresária da moda e representante da Dior no Brasil, percebeu o exagero e tentou conter a filha. “Ela quis me proteger da Renascer. Tentou me afastar da igreja, mas sempre que ela tentava, eu entrava mais e mais”, lembra Caroline. As brigas ultrapassaram os limites das disputas entre adolescentes e seus pais e as duas quase romperam. “Cheguei a jogar fora as coisas dela de santo, a quebrar uma pulseirinha, diz. “Me envolvi completamente, fui fanática.”

Em 2005, aos 18 anos, Caroline se casou na sede da Renascer, então na avenida Lins de Vasconcelos, no bairro do Cambuci, área central da cidade de São Paulo. O prédio viria a ruir quatro anos depois por problemas de conservação e manutenção da estrutura, matando nove pessoas e ferindo outras 117. Vivia o ápice da fé. Quando se mudou para a Itália, onde o marido já morava desde a transferência para o time do Milan, em 2003, desembarcou convencida de que expandiria a Renascer na Europa. Foi nesse período que ela se tornou pastora e passou a pregar para o rebanho da Renascer via internet. Em 2009, durante um desses sermões, sugeriu que Deus havia dado dinheiro para o Real Madrid, em plena crise financeira, para contratar seu marido. “Me arrependo profundamente dessa declaração. Escutei de uma pessoa e repeti”, diz. Quando questionada sobre o autor da frase, ela sorri, toma um gole de água e desconversa. “Não penso mais como aquela Carol, mais imatura, influenciável. Quero seguir o meu caminho com as minhas próprias pernas. Esse foi o motivo pelo qual saí da Renascer.


Foi também em 2009 que ela deixou a igreja. Sem dar detalhes, conta que viu coisas na Renascer que nunca tinha visto, das quais já tinham falado para ela, mas que nunca havia acreditado. Em seu mea culpa, não poupa a si mesma. Reconhece que tentava agradar aos homens e não a Deus, defeito grave entre os evangélicos, e admite a própria hipocrisia. “Ia para a igreja, era super heroína da fé, super pastora, mas chegava em casa e tratava mal a pessoa que trabalhava para mim”, diz. Como uma esponja, justifica-se ela, absorvia o comportamento dos que a rodeavam no ambiente que mais frequentava, a igreja. Segundo ela, era gente “que não podia dar o que não recebeu”, como carinho, educação e respeito. É direta sobre os problemas da Renascer: “Virou um negócio que precisava ser administrado”, afirma. “Não queria isso para mim.”

Hoje sem pertencer a nenhuma igreja, ela prefere orar em casa, sem intermediários e só com a família. Que, segundo Caroline, estreitou os laços depois do tempo em que Kaká passou em casa se recuperando das lesões que sofreu por insistir em jogar, mesmo machucado, a Copa de 2010. “Vimos que futebol não é tudo”, resume ela. Nos momentos de desânimo do marido, Caroline conta que enumerava as conquistas do jogador para animá-lo. Mas a travessia foi difícil. “Alguns amigos se afastaram por ele não estar jogando tanto”, revela. “Isso acontece em qualquer profissão, ainda mais quando a pessoa tem uma visibilidade gigantesca como é o caso do Kaká”, acrescenta Caroline, para quem talvez essa tenha sido a pior parte da fase em que ele não jogou.

Convocado pelo técnico Mano Menezes na semana passada para os amistosos da Seleção Brasileira contra o Gabão e o Egito, Kaká voltará à evidência e os tais colegas certamente ressurgirão. Caroline os receberá de braços abertos. “A gente também precisa de colegas, não só de amigos”, diz, com a tolerância e a resignação que marcam esta nova fase de sua vida. Enquanto o marido retoma o futebol, aos poucos, Caroline já se dedica a um novo projeto chamado Amor Horizontal. Trata-se de um site que canalizará doações na forma de produtos de higiene, alimentação e saúde, entre outros. “Quero ajudar pequenas instituições que cuidam de crianças carentes, seja qual for a fé que elas praticam”, diz, mostrando que a antiga Caroline ficou no passado.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Menon: Presença de Kaká é boa.



Com a volta de Kaká, confirmada hoje, Mano Menezes passa a ter dois jogadores reconhecidos internacionalmente como condutores do processo que só pode terminar com o título de 2014. Outro resultado será um fracasso. Kaká e Ronaldinho Gaúcho terão de ser os suportes para que Neymar brilhe e seja a principal estrela da companhia. Com esses três, Mano tem um bom final de time. O quarto elemento pode ser Leandro Damião, que tem tudo para evoluir ainda mais.
Lúcio não está, uma vez mais. Folgo em saber. Ele foi mal na Copa América e não é o tipo de jogador que eu gosto. Tem o estilo xerife, que comanda o time mais pelo medo do que pelo futebol. Para mim, é autor de uma das atitudes mais lamentáveis que um jogador já teve com a camisa da seleção brasileira: a cabeçada que deu em Roger, na Olimpíada de 2000. Igual a ele, apenas Dunga, que fez o mesmo com Bebeto. Tem quem goste disso. Eu acho terrível.
Tecnicamente, também não gosto de Lúcio. Suas arrancadas não resolvem muito na frente e atrapalham atrás. Onde estava quando Snejder fez o gol da Holanda na última Copa? É melhor apostar em David Luiz e Thiago Silva. Além de tudo, Lúcio doi o comandante, juntamente com Jorginho, da "evangelização" que tomou conta do  futebol brasileiro na última Copa. Até os seguranças eram evangélicos. Havia um pastor dentro da concentração. Não sou contra nenhuma religião, mas a verdade é que a crença religiosa de cada um não deve interferir na escalação. Kaká também é evangélico, mas tem o que acrescentar, tecnicamente falando, ao time.
É bom ver que Mano convocou três laterais esquerdos e que nenhum deles é André Santos. Mano não morre abraçado com suas criações. Ainda bem. Desfez-se de um jogador improdutivo, sem currículo e mascarado. Willian e Bruno César são boas novidades. Continuo sem entender Elias e Jonas.

Juca Kfouri: Muito bem fez Mano Menezes ao trazer de volta Kaká à Seleção Brasileira



A manhã, dedicada ao “Juca Entrevista” na ESPN, foi rica em notícias.
Vamos, rapidamente, falar das duas principais:
1. Muito bem fez Mano Menezes ao trazer de volta Kaká à Seleção Brasileira.
Ele pode ser o jogador que traga liderança e competência técnica tão em falta ultimamente.
E nada o impedirá, amanhã, de jogar, por exemplo, no mesmo meio de campo que Paulo Henrique Ganso.
Mano Menezes acertou também ao não convocar ninguém de times brasileiros  e ao deixar Júlio César e Robinho de fora, porque esses nada mais têm a acrescentar.
2. Sobre Aldo Rebelo teria muito a dizer, mas serei curto e grosso: tenho da imagem pública dele a impressão do médico e do monstro.
Foi brilhante quando, da bancada de oposição ao governo FHC, presidiu a CPI da CBF,  com firmeza e tranquilidade.
Depois, ao chegar ao poder, mudou.
Seu pragmatismo virou a doença senil do comunismo, como o esquerdismo é a doença infantil.
Torçamos para que esteja curado.

Kaká é convocado por Mano e volta a defender a seleção após Copa do Mundo



Kaká foi a principal novidade na lista de convocados feita pelo técnico Mano Menezes, nesta quinta-feira, para os amistosos da seleção contra o Gabão (dia 10 de novembro) e Egito (14 de novembro). O jogador do Real Madrid ficou longo tempo distante do time nacional. Sua última aparição ocorreu na partida contra Holanda, pelas quartas de final da Copa do Mundo.

Após o Mundial de 2010, Kaká enfrentou problema sério no joelho, sendo submetido a cirurgia em agosto do ano passado para raspagem da cartilagem no joelho esquerdo. Especulações de que o jogador nunca mais seria o mesmo após a lesão incomodaram o atleta.
Recuperado, Kaká voltou aos poucos ao time titular do Real Madrid, recuperando recentemente posição entre os 11 principais da equipe merengue.
“Penso no Kaká da mesma forma que o Ronaldinho. Precisamos de jogadores que têm essa trajetória de seleção, que possam compartilhar com a seleção como equipe. Ser mais referência ou não depende do papel que cada um assume. Mas acho que temos jogadores chamando a atenção, assumindo papeis importantes em suas equipes, porque isso vai se transferir para a seleção brasileira”, explicou Mano Menezes. 

A lista elaborada por Mano Menezes tem outras novidades. O ex-corintianos Willian, atualmente no Shakhtar Donetsk, e Bruno César, do Benfica, foram chamados para os amistosos. 
O treinador relacionou apenas atletas que atuam no exterior, evitando prejudicar os clubes envolvidos na reta final do Brasileirão. A partida contra Gabão será realizada na cidade de Libreville, capital do Gabão, no Estádio Nacional, às 15h (horário de Brasília). O duelo frente ao Egito acontece em Doha, Qatar, às 20 horas (15 horas de Brasília).
Os 23 jogadores relacionados por Mano Menezes atuam na Europa e se apresentam no dia 7 de novembro, no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, de onde a delegação segue em voo fretado para o Gabão.

sábado, 15 de outubro de 2011

Dona Simone o Ricardo tem talento

Com gol de Kaká, Real goleia o Bétis e conquista sua quinta vitória no Espanhol


Na 100ª partida oficial de Cristiano Ronaldo com a camisa do Real Madrid, o argentino Higuaín brilhou ao fazer três gols na vitória do elenco merengue sobre o Betis por 4 a 1, no Santiago Bernabéu. O brasileiro Kaká também deixou sua marca. Assim, dorme na vice-liderança do Campeonato Espanhol.
Com o resultado positivo, o time de José Mourinho chegou aos 16 pontos, um a menos que o Barcelona, que aplicou 3 a 0 no Racing Santander e ocupa a ponta da tabela. O Valencia, que poderia se igualar ao Real, não foi além de empate contra Mallorca por 1 a 1 e contabiliza 14 pontos.
O Real Madrid entrou em campo com uma formação bem ofensiva, com Ozil, Kaká, Cristiano Ronaldo e Higuaín entre os titulares. Mesmo assim, a equipe da capital espanhola não começou tão bem. Chegou a levar susto, aos 12min, quando Casillas fez uma complicada defesa. Aos poucos, porém, passaram a mandar na partida.
E criou muitas oportunidades. Cristiano Ronaldo, que está próximo de atingir a marca de 100 gols pelo time, era o mais perigoso. Kaká e Higuaín também assustaram. Mas foi para o intervalo com um preocupante empate sem gols. A tensão, no entanto, chegou ao fim logo no início da etapa final.
No primeiro minuto, Cristiano Ronaldo tocou para o argentino Higuaín abrir o marcador. Depois, aos 14min, o português deu assistência para Kaká ampliar. O Betis ainda deu susto. Aos 24min, Jorge Molina diminuiu.
Mas teve pouco tempo para comemorar. No minuto seguinte, o inspirado Higuaín recebeu de Di Maria e anotou o terceiro. Logo depois, aos 28min, a dupla argentina voltou a aparecer. Novamente, Di Maria passou para o atacante selar a goleada dos madrilenos. 4 a 1.

Isso é Kaká

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Kaká revela o seu romantismo


Em entrevista ao canal de televisão do Real Madrid, Kaká explicou a forma romântica como pediu a sua mulher em casamento . “Namorámos durante dois anos mas vivíamos separados. Ela no Brasil e eu em Milão. Um dia veio visitar-me e levei-a até Veneza, com a desculpa de que tinha um compromisso  publicitário. Fomos jantar a um restaurante muito bonito e no terraço, com vista para o canal e com as luzes apagadas, pedi-a em casamento”, explicou. Mas Caroline não se esqueceu de retribuir e na altura de dizer a Kaká, de 29 anos, que estava grávida, comprou duas pequenas chuteiras e escreveu uma mensagem no espelho: “Parabéns papá!”. Um verdadeiro amor cinematográfico!

Longe da seleção de Mano, Kaká é garoto propaganda de amistoso em jornal mexicano!


Desde que Mano Menezes assumiu o comando da seleção brasileira, o meio-campista Kaká não foi convocado. Primeiro, devido ao discurso da renovação, depois por problemas físicos. Agora, recuperando o bom futebol no Real Madrid, o jogador até parece mais próximo de voltar a vestia a camisa amarela. No México, ele ainda é a cara da seleção brasileira.

O jornal Milenio, um dos maiores do país, oferece ingressos para quem fizer uma assinatura de seis meses da publicação. E o anúncio da promoção tem Chicharito, atacante do México, como representante do México. Kaká é a estrela do Brasil.

Nas ruas de Torreón, no Estádio Corona - onde acontecerá a partida de sábado - e na imprensa mexicana, as atenções estão voltadas para dois outros jogadores. Neymar e Ronaldinho são os astros do momento na seleção brasileira e dividem os holofotes.

Para Neymar, o gaúcho ainda é mais famoso. “Nem quero entrar nessa disputa com ele. E ele é meu ídolo. Então, no critério de desempate, ele leva essa”, brincou durante conversa com jornalistas brasileiros.